Missão de impregnar “alma” numa enxada

Entre o cruzeiro cristão e o kurusu

Palabras clave: cruz, guarani, indigenismo, arte pós-colonial, monotipia

Resumen

Uma digressão entre dois objetos litúrgicos, em forma de cruz, capta diferentes maneiras de relacionar-se com o tempo e com o espaço. O contraste, entre aspetos imbuídos no tratamento com o cruzeiro cristão e com o kurusu – o qual indica sepulturas de familiares e antepassados dos ameríndios guarani-kaiowá –, revela distintos modos de o corpo lidar com a realidade circundante. Como evadir da atual lógica reinante, a qual gera cenários opressivos como o que persiste no estado Mato Grosso do Sul, Brasil, onde guarani-kaiowá sobrevivem com dificuldade? Para procurar alguma inspiração resolutiva, a presente reflexão esforça-se por esboçar meios de impregnar-se pela cosmovisão indígena. Como proposta está o esforço individual por deixar-se intrigar pela “permeabilidade cutânea”, ou seja, por estar atento às “distrações” significantes instauradas no contato com o presente. Este comportamento entende-se, assim, como via para a aquisição de sentimentos, ecologicamente e socialmente, sustentáveis e responsáveis.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Letícia Larin Platzeck Senra, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas-Artes

Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Artes

Publicado
2019-12-05
Cómo citar
Platzeck Senra, L. (2019). Missão de impregnar “alma” numa enxada. Espiral, Revista De Geografías Y Ciencias Sociales, 1(2), 227-246. https://doi.org/10.15381/espiral.v1i2.17146
Sección
Ensayos